Change to English or other language

Sunday, February 11, 2007

Dias Perfeitos...

Há dias em que parece que nada nos falta...
Existe uma sensação de plenitude tão forte, que mais parece que só nos estimula a viver intensamente o Presente, conscientes desse sentido pleno.




Hoje foi um desses dias...
O Sol que, ainda que envergonhado, entrou pela janela do quarto despoletou de imediato o prazer pela Vida "lá fora". Junto da natureza, de pessoas, de amigos.
A música que me despertou, energizou o meu estado de espírito.
Parece que todos os sentidos estavam de tal forma elevados, que me levaram ao transbordar de energia boa!

Não gosto de planos a longo prazo, no que respeita ao meu tempo livre...
Assim, durante o pequeno-almoço revigorante, fui tranquilamente pensando no que me apetecia fazer com todos os "Ingredientes" que tinha à disposição.

As manhãs de Sábado são mesmo extraordinárias...
O ponteiro dos minutospassava dos trinta minutos depois das onze, mas mesmo assim... era a manhã de Sábado. A minha, pelo menos.

Depois do indispensável duche - não consigo mesmo passar sem água - vesti uma roupa confortável, e saí!
Enquanto descia no elevador, subia o som e escolhia o que queria ouvir... É bom poder escolher o que se quer ouvir, não?...


Ao sair do prédio rumei para junto do Rio, após sucessivos "bom-dia" e "olá, tudo bem?", que me fazem sentir bem e acreditar que, mesmo dentro da grande cidade, ainda há margem para comunidades humanizadas.

Fixei o Sol, e fechei os olhos, para o sentir profundamente no rosto... Haverá coisa melhor? Concerteza muitas, mas esta é sem dúvida uma delas...
Caminhei junto ao Rio mais de uma hora... Deixei-me ir pela vontade de caminhar sem destino ou objectivo. Apenas por prazer.

Olhei para fora de mim... Vi e senti os outros e as coisas à minha volta.
Pessoas bem dispostas, casais novos e mais velhos, crianças a correr por todo o lado, os turistas com as suas cameras fotográficas ou de filmar em punho, assinalando os "marcos" de viagem e da passagem por Lisboa, sacos de compras de Sábado carregados por alguém que ainda guardava o espaço debaixo do braço para levar o Jornal.

Os meus olhos captavam este filme, filtrado pelos óculos-escuros que, para além de permitirem esconder as "olheiras pré-café", eram extremamente úteis para esta observação "semi-voyer", sem quaisquer pretensões.

O café-pingado chegou.
Tinha interrompido a caminhada por uns instantes, porque não dispenso o café da manhã. Sempre com um pingo de leite, para amaciar o trago forte e intenso do sabor dos grãos negros.
Bebo-o puro. Insento de açúcar ou outro adoçante, porque o tornam numa mistela doce, que se assemelha a um daqueles xaropes insuportáveis!
Tentada a pedir mais um, fui interrompida por um SMS. A Tecnologia é sem dúvida amiga, quando quer! ;)
Do lado de lá da Rede (e da margem do Tejo), chegava o desafio para um almoço em Sesimbra.
Humm... no mínimo, tentador com o bonito Sol que se mostrava em Lisboa.
Mais do que o almoço em Sesimbra... a companhia.

Mas já tinha outros destinos e prioridades, e... segui o meu rumo, ao meu ritmo. E também para Sul, como quase sempre...


De facto, para completar aquele dia, só mesmo uma grande amiga para o partilhar, bem como o resto do grupo que estava já com ela. A Bruxinha, como lhe chamo, é assim! Contagia com o seu carinho, os seus risos e piadas imprevistas, as histórias insólitas... Tem sempre novidades para contar. Umas boas, outras menos boas. Uma amiga recente, mas muito verdadeira e que já deu mil uma provas de que está sempre "lá"!
Fiquei dividida. Mas precisava de dar um pouco de atenção e acompanhamento a uma outra pessoa, e tive de abdicar da excelente proposta. Alguns SMS's mais tarde, e de algumas conversas por telemóvel, lá nos despedimos.
A meio da tarde, fui ver o mar. Entrei na "minha" esplanada e consegui uma mesa mesmo junto à enorme vidraça. O único elemento que me separava do cheiro a maresia, da espuma das ondas, do vento frio e agreste, e da areia humedecida pela chuva.

O céu, já estava muito negro, e mais uma noite de chuva adivinhava-se. Pedi um chá preto, e uma tosta mista, que são gigantes, feitas em pão caseiro, muito suculentas e cheias de sabor... E entre a tosta e o chá, devorei quase metade do livro que tinha comprado no dia anterior.
Fiz uma pausa, e pensava como as nossas opções moldam os nossos dias, semanas, vida... Se optasse por ir a Sesimbra almoçar, sentir-me-ia culpada por não ter dado a devida atenção a uma pessoa muito importante, que precisava de apoio. Por outro lado, estava ali, noutro lugar, sentindo que teria desapontado uma amiga que já não via há alguns dia.
Nunca nada é perfeito. Há sempre opções, e caminhos a seguir. O que realmente conta é sentir que, no fundo, a nossa escolha foi a mais justa, em função de todos os aspectos inerentes ao momento da decisão. E esta decisão, no meu caso, é tomada sempre com o coração, num sentimento de justiça e amor.
Absorvida pelos meus pensamentos, sou surpreendida por um SMS. A Bruxinha perguntava onde estava, porque ainda tinham tempo de ir ter comigo! Telefonei, e combinámos então. Ela, e o resto do grupo chegariam em breve. Depois, fiquei a contemplar o Mar e a olhar o infinito.
Senti que, na realidade, os dias perfeitos existem! Talvez seja o poder de queremos muito que algo aconteça. Talvez pelo facto de sermos genuínos nas nossas opções. E quando menos damos por isso... acontecem dias assim.
Dias, em que parece que nada nos falta...

1 comment:

Maria João Rocha said...

é sem dúvida a recompensa da honestidade e da entrega :)

Stress and the City, no YouTube

Loading...

Countries & Cities Where I've Been.