Change to English or other language

Friday, April 10, 2009

Uma história mal contada

Todos nós sabemos que quem conta um conto acrescenta um ponto. Temos esse exemplo prático quando vamos à padaria e desabafamos com a padeira em como nos dói a cabeça e depois, após um mês de férias nas Caraíbas, ficamos surpreendidos quando regressamos ao bairro e verificamos que muitos dos vizinhos nos julgavam mortos com um qualquer tumor cerebral.

Se há histórias mal contadas a do cristianismo é uma. Nunca me convenceu por uma razão muito simples: a do longo tempo que nos separa desse acontecimento.

Numa altura em que não havia o recurso ao registo digital, as façanhas eram escritas, traduzidas, rescritas ou verbalizadas de geração em geração.

Com os cybertextos e as e-textualidades de hoje em dia essa história seria seguramente diferente. Não haveria espaço para técnicas como a do “cadáver esquisito” onde cada um vai acrescentando palavras ou imagens sobre uma primeira proposta da história e através do seu Tempo e da sua Cultura, vai fazendo e seguirá a fazer a sua participação na obra colectiva.

Numa altura como esta da Páscoa em que se comemora a ressurreição de Cristo e a vitória sobre a morte, importa para mim não dissertar sobre essa história mal contada mas ver o lado romântico da coisa.

Acreditar que Jesus esteve reunido com os seus apóstolos no Getsemani na noite anterior à sua morte, e que terá entrado em agonia, ao ponto do seu suor se tornar em gotas de sangue que escorreram pela terra é demasiado figurativo e simplista para a minha mente romântica.

Pois então o que falta para tornar esta história mais romântica e comovente ainda? Falta música, dramatização e profundidade nas palavras de Cristo que só 1973 anos depois foram finalmente conseguidas pelas mãos de Andrew Lloyd Webber e Tim Rice na magnífica interpretação de “Gethseman” por Ted Neeley (1943).

Nesta Páscoa sugiro que se deixem de ovos de chocolate e amêndoas e rumem até ao vídeo clube, não para alugarem a Paixão de Cristo do Mel Gibson mas a Ópera Rock Jesus Chrisr Superstar.

Trinta de cinco anos depois do lançamento do filme eis que surge novamente Ted Neeley, mais velho e mais poderoso. Desta feita em teatros, numa das mais soberbas interpretações de Cristo que eu me lembre.

Se quem conta um conto acrescenta-lhe um ponto, retirando, por vezes, verdade ao conto, neste caso pode-se dizer que quem interpreta uma música acrescenta-lhe o que lhe vai na alma. A mesma música a mesma letra mas com o poder de mais anos em cima. Quase os mesmos com que Cristo morreu.

Com Cristos assim quase que apetece ir à missa.



Ted Neeley - Gethsemane - Jesus Christ Superstar (2008)




Ted Neeley - Gethsemane - Jesus Christ Superstar (1973)

No comments:

Stress and the City, no YouTube

Loading...

Countries & Cities Where I've Been.